Glossário Têxtil A - C

Acetato: o acetato ou raiom acetato, é uma fibra artificial a base de celulose, obtida por processo semelhante ao da viscose, utilizada como substituta da seda natural, o consumo do acetato é reduzido, especialmente no caso de aplicações têxteis. Embora apresentando características gerais similares às da viscose, não reage bem aos processos normais de tingimento, exigindo a utilização de técnicas especiais. Suas maiores aplicações estão na produção de filtros para cigarros, rendas, cetins e material de estofamento.

Acrílico ou Poliacrílico: fibra sintética que embora sendo a menos consumida dentre as fibras químicas têxteis, o acrílico, por suas características, ocupa espaço próprio no setor de confeccionados têxteis como o melhor substituto da lã.

A matéria prima é acrilonitrilo (cianeto de vinila) que pode ser obtido a partir do amoníaco, propilenos e oxigênio. A polimerização do acrilonitrilo efetua-se em emulsão na água e os catalisadores utilizados são peróxidos minerais. Podem ser utilizados dois processos de fiação:

Fiação a seco: A fieira desemboca numa câmara de evaporação onde os filamentos reencontram uma corrente de ar quente, de azoto ou vapor de água.

Fiação úmida: a coagulação faz-se num banho rico em água, o qual contém um coagulante que é, a maior parte das vezes, uma mistura água diluente.

É um produto “quente” (bom isolante térmico) e leve, muito resistente à ação dos raios solares (radiação ultra-violeta) e aos agentes químicos, não amassa,de fácil lavagem, não encolhe e seca rapidamente. Tem larga aplicação na fabricação de artigos de inverno: agasalhos em geral, meias, gorros, cobertores, mantas e tecidos felpudos; além disso, por ser não-alergênico, é muito utilizado na produção desses mesmos artigos para uso infantil. Ver: Feltro Feltycril, Pelúcia, Pelúcia Selvagem.

Albene: tecido para vestuário produzido com fio de acetato opaco.

Algodão: fibra natural de origem vegetal procedente do algodoeiro. O tecido a base de algodão detém melhor capacidade de absorção de umidade é adequado para o clima brasileiro, quente e úmido. A transpiração do corpo é mais bem absorvida quando se usa tecido com algodão em sua composição.

Características: macio e confortável; durável; resistente ao uso, à lavagem, à traça e insetos; lava-se com facilidade; tem tendência a encolher e a amarrotar; atacado por fungos; queima com facilidade; não resiste a produtos químicos;Limite de umidade: Não mercerizados: 8,5%; Mercerizados: 10,5%.

Aplicações: Confecção, tecidos para uso doméstico, tecidos profissionais.

Algodãozinho ou Algodão: nome genérico utilizado para denominar qualquer tipo de tecido cru ou alvejado, geralmente com ligamento sarja, feito com fibras de algodão.

Alpaca: tecido barato de algodão ou viscose empregado em forros de roupas. Originário de tecido antigo, fino e brilhante, que era produzido com fios dos pelos da Alpaca.

Alta Costura: Setor da indústria têxtil, envolvendo os tecidos, as fábricas e especialmente os costureiros, produzindo vestidos de alto luxo, feitos a mão e com exclusividade. Os tecidos e os vestidos são sempre realizados por especialistas e artistas de muito bom gosto, ditando a moda para o mundo inteiro. Os principais costureiros franceses são: Christian Dior, Balmain Givenchy, Chanel, L. Ferraud, Grès, Balenciaga, J. Fath, Jean Patou, Pierre Cardin, Y. Saint Laurent, Courrèges, Ungaro, etc.

Anarruga: tecido com efeito enrugado ou plissado no urdume ou na trama, conseguido através da utilização de fios com encolhimentos diferentes, muito utilizado em roupas leves para o verão, como blusas, vestidos, etc..

Angorá: variedade de gato, coelho e cabra da região de Angorá, na Turquia. Os pêlos destes animais são muito compridos, brilhantes e macios. Utiliza-se também esta palavra para denominar os tecidos feitos com estes fios.

Aniagem: pano grosseiro sem acabamento, de juta, cânhamo, ou de outra fibra vegetal análoga, usado para confecção de fardos.

Arrastão: tipo de malha com ligamentos bastante abertos, semelhante a um rede de pescador.

Astracã ou Astrakan: tecido, parecido com a pelúcia, imitando a pele deste animal.

Atoalhado (Felpo): tecido obtido por fios em forma de laços que emergem da estrutura básica, dando um efeito felpudo em uma ou ambas as faces. Usado em toalhas de banho, roupões, etc. Conhecido também como felpa ou felpudo. Ver: Tecido Felpo

Baeta: tecido felpudo normalmente feito de lã.

Bailarina: tecido de malha de poliamida texturizada, de gramatura média.

Batavia: ligamento sarja 2/2, denomina-se, também, tecido de lã para uso masculino com este ligamento, muito divulgado pelos lanifícios.

Batik: tecido muito antigo de algodão, estampado e produzido na Índia e Indonésia. Atualmente, ainda muito utilizado, ele é estampado com o processo à cera e após pintado a mão, o que lhe confere uma característica original e delicada.

Batiste: tela fina, semelhante a cambraia, e transparente de linho,de algodão ou mista com acabamento firme (inventor: Jean Baptiste Chambray – século XIII), muito utilizado para blusas, lenços, lingerie e sub vestimentas.

Bayadère: Tecido onde os desenhos formam listras brilhosas, cor ou aspecto diferentes no sentido da trama. Hoje, o efeito bayadère pode ser obtido pelos desenhos e através de fios de cores, brilhos ou torções diferentes.

Binar: ato de juntar dois fios a.

Bordado: lavor feito em relevo, sobre estofo ou pano, à linha, fio de lã, prata ou ouro, etc.

Botonê: tecido fantasia com efeito de coco ralado, produzido com fio fantasia do mesmo nome e que têm pequenas bolas de fibras enroladas.

Bouclê: tecido com efeito fantasia de laçadas, resultando numa textura crespa, produzido com fio fantasia do mesmo nome, que é um fio retorcido onde aparecem laçadas e nós, resultando uma textura crespa, o nome origina-se da palavra francesa “boucler” que significa encaracolar.

Brim: tecido forte com desenho em sarja, de algodão. Ele se assemelha ao coutil, jeans, denim. Atualmente é muito utilizado além de confecção (calças, bermudas, uniformes, etc.), para decoração, toalhas de mesa, guardanapos, fundo de palco, etc. Ver: Brim sarjado, fortbrim, mykonos, etc.

Brocado: tecido jacquard com desenhos em relevo realçados por fios de ouro ou de prata, origina-se da palavra francesa “broucart” que significa ornamentar.

Cala: é a abertura formada por duas camadas de urdume (entre os fios pares e impares) por onde se passa os fios da trama.

Calandra: máquina composta basicamente por dois cilindros de aço aquecidos nos qual o tecido passa para obter diversos tipos de tratamentos, com dar brilho, alisar, fechar porosidades, encorpar (usando resinas), e obter outros tipos de efeitos.

Camayeux: chamamos duas cores em “camayeux”, quando elas são da mesma cor porém com intensidade ou tom diferentes. Exemplo: azul claro – azul marinho, amarelo claro – amarelo ouro. Efeito destinado a jacquard, estampado, mistura de fios, etc.

Cambraia (“Batiste”): tecido de algodão ou linho leve, com desenho tafetá, para camisas e blusas finas, semelhante ao Batiste. Nome originado da cidade de Cambraia, França. A cambraia de lã é um tecido mais pesado em ligamento sarja com fios de cores contrastantes no urdume e na trama, usado para ternos.

Canela: pequeno canudo ou bobina em que se enrola o fio para a tecelagem.

Canelado(“Cannelé”):

A)Tecido com listras verticais ou horizontais em relevo formadas pelo ligamento reps.

B) Ligamentos chamados também de reps pelo urdume, apresenta ranhuras, estrias ou sulcos semelhantes a diminutos canaletes. São semelhantes aos desenhos de cotelê, ottoman e faile, existem dois tipos básicos deste desenho, a saber:

I- Canelado Duplo: Os fios ímpares flutuam em cima de uma quantidade de batidas determinada. Os pares formam o tafetá. A proporção pode variar para 2/1, 2/2, 1/2. Depois os ímpares formam o tafetá e os pares flutuam. O tamanho do efeito cotelê depende da quantidade de batidas para cada grupo de fios pares e ímpares. Tecido feito apenas com um rolo.

II- Canelado Simples: Os fios ímpares sempre flutuam para formar o cotelê e os fios para sempre ligam em tafetá. Neste caso os fios flutuando devem ser ligados com uma ou três tramas, entre cada cotelê. O inconveniente deste desenho é o fato de necessitar 2 rolos de urdume. Estes tipos de desenho são muito utilizados para os tecidos jacquard.

Cânhamo: fibra, fio ou tecido de cânhamo, que é uma planta herbácea da família das canabidáceas [ Cannabis sativa (v. cânabis ] , amplamente cultivada em muitas partes do mundo. As folhas são finamente recortadas em segmentos lineares; as flores, unissexuais e inconspícuas, têm pêlos granulosos que, nas femininas, segregam uma resina; o caule possui fibras industrialmente importantes, conhecidas como cânhamo; e a resina tem propriedades estupefacientes. É uma fibra mais lenhosa do que o linho e, conseqüentemente, é mais rígida. O cânhamo tem sido usado em quase todas as formas de aplicação têxteis: tecidos finos, cortinas, cordas, redes de pesca, lonas, etc., além de misturado a outras fibras, naturais e/ou artificiais.

Canvas: tecido pesado de algodão em ligamento tela, usado para calças tipo jeans.

Carda: instrumento constituído de um banco ao qual se apóia uma espécie de grande pente com dentes de madeira, compridos e bastante próximos, e que serve para desembaraçar o cânhamo, o linho, a lã, o algodão, etc. Também conhecida a máquina que desembaraça, destrinça (separa os fios de) e limpa fibras têxteis, constituída de cilindros giratórios guarnecidos de milhares de agulhas.

Casa de Abelha: tecido com desenho fantasia à base de pequenos losangos, efeito obtido através de maquineta que alterna as flutuações de urdume e de trama, provocando um aspecto que imita o alvéolo da abelha.

Casimira: tecido encorpado de lã, usado em geral para vestuário masculino (calças, coletes, etc.). Semelhante ao drap.

Celulose: polímero natural, encontrado nos vegetais, e constituído pela polimerização da celobiose, substância branca, fibrosa, usada na fabricação de papéis.

Cetim (“Satin”): Denominação usada para tipo de ligamento ou tecido:

1. Ligamento: É semelhante ao ligamento sarja, porém é geralmente utilizada em repetições de cinco a doze fios de urdume e de trama. A principal diferença entre os dois ligamentos é que a diagonal não é claramente visível no cetim. ela é intencionalmente interrompida a fim de contribuir para uma superfície lisa e lustrosa. A textura não é tão visível do lado direito, por que os fios que o compõe são, geralmente, mais finos e em maior quantidade do que os que formam o avesso.

2. Tecido: tecido de aspecto brilhante, absolutamente liso, obtido a partir de flutuações dos fios de urdume. O Cetim pode ser de qualquer matéria-prima, com densidade elevada de fios no urdume. O toque é em geral fluido e macio, e o aspecto brilhante. Todos os cetins podem ser brilhantes, semi-opacos ou opacos, conforme a matéria (acetato, viscose, poliéster, etc.), a torção ou o tratamento do acabamento (como na seda). Ver: Cetim Alpaseda, Cetim Charmeuse, Cetim Liso e Cetim Peau D’Ange.

Cetim Boucol: semelhante ao cetim duchese porém mais pesado, também muito utilizado pela alta costura e para vestidos de noivas.

Cetim Changeant: Cetim com duas cores na trama, desenho “Gros de Tours“. As duas tramas (uma de cada cor), se desenrolam na mesma abertura de cala, com duas lançadeiras diferentes (Pick/Pick), ou ainda com uma lançadeira especial de duas espulas. O importante é que cada trama se coloque na posição certa e sempre a mesma, na cala. Assim, conforme a posição da pessoa olhando o tecido, ele aparece com uma cor diferente.

Cetim Charmeuse: cetim leve com bom caimento, brilho intenso e uma trama suplementar no avesso, urdume em grége, acetato, viscose ou poliéster, e com 2 tramas, uma delas em crepe e que aparece somente no avesso.

Cetim Duchese: cetim mais pesado que o Charmeuse, também com brilho mais intenso e um excelente caimento, geralmente em seda, acetato ou poliéster , com fio tinto, torção “Organsin“. Cetim de qualidade, destinado à Alta Costura, muito utilizado em vestidos de noivas.

Cetim Peau D’Ange ou Cetim Vison: cetim mais encorpado que o cetim comum, com bom caimento e brilho discreto, muito utilizado para becas, decoração (toalhas de mesa , cortinas, etc.). Na tradução do francês Peau D’Ange quer dizer pele de anjo.

Cetim Zebeline: cetim pesado com um brilho acetinado, avesso em crepe, bem encorpado, sendo perfeito para os modelos evasê.

Challis: Tecido produzido com viscose fiada, originário da Índia; significa em Hindu de toque agradável.

Chamalote: tecido furta-cor em que a posição do fio produz um efeito ondeado, o mesmo que “Moiré”, também chamado o tecido de pêlo ou de lã, em geral com mistura de seda. Ver Moirage.

Chambray - Tecido similar ao índigo (jeans) , porém com ligamento tela, de gramatura média.

Chamoix (Camurça, Suédine): tecido em qualquer matéria-prima, mas principalmente de algodão, que recebe um tratamento de acabamento tipo flanelagem, com navalhagem, dando-lhe um aspecto que imite um pouco o veludo e a pele de camurça.

Changeant (Camaleão): tecido que tem por característica aparentar mudança de cor, semelhante ao Furta-Cor.

Chenille: tecido felpudo de algodão, usado para colchas e roupões.

Chevron : também conhecido como “Espinha de Peixe”, desenho à base de ligamento sarja, onde o efeito diagonal se forma em sentidos contrários, em faixas determinadas.

Chiffon: origina-se na palavra francesa que significa trapo. Trata-se de tecido muito fino e transparente de seda ou de fibras químicas (normalmente poliéster ou poliamida), com fios com grande torção e resistentes. É um tecido aberto, o que lhe dá transparência. Utilizam-se fios retorcidos, usualmente dispostos de forma alternada , um fio com torção no sentido S e outro em sentido Z, tanto no urdume quanto na trama.

A palavra Chiffon utilizada em conexão com o nome de outros tecidos denota leveza em peso, por exemplo: crepe chiffon, tafetá chiffon, veludo chiffon, etc. Ver: Crepe Chiffon Liso/Estampado.

Chintz (Chint, Chinte): tecido de algodão, muito leve, tafetá, estampado com acabamento firme e brilhante,com calandragem muito utilizado em decoração de ambientes.

Chita ,Chitão ou Reps Estampado: tecido simples de algodão ou misto estampado em cores. Ver: Reps Estampado (Chitão)

Cirrê: acabamento com calandra, destinado a dar um aspecto muito liso e brilhante ao tecido. Também conhecido como laqueamento.

Cloquê: tecido tipo piquet, de seda, raiom, ou algodão, com efeito de alto relevo produzido por fios de crepe ou fios de encolhimento elevado. Tecido maquinetado ou jacquard.

Coenização: tratamento de colagem de dois tecidos , sendo um sobre o outro, destinado a evitar o esgarçamento, dar um melhor caimento (mais encorpado) e substituir o forro do vestido, durante a sua confecção. Por esse motivo, em geral no avesso, é colado um tecido leve ou em jersey, do tipo forro.

Contextura: densidade dos fios e das tramas em qualquer tecido, calculada em fios ou batidas por centímetro, ou por polegada.

Contração e Ondulação: Ondulação é a relação entre a diferença do comprimento do fio esticado e o comprimento do fio contraído, enquanto a contração (ou encolhimento) é a relação dessa diferença com o fio esticado.

Cós: tira de pano usada para arrematar certas peças de vestuário, especialmente as calças e as saias, no lugar em que cingem a cintura.

Cotelê: listas em relevo, e rasas, que se alternam.

Cotton: palavra em inglês que define algodão, bem como fio, fibra ou tecido de algodão.

Coutil: tecido 100% algodão ou linho – fios retorcidos com ligamento sarja 2/1 (diagonal ou espinha de peixe), muito resistente e utilizando para: colchões, calças, sapatos, etc. Também chamado “Jean”, “Serje”, “Brim“, “Denim“, etc.

Crepe:

1. Fio – Torção dada a diversos fios como: seda, lã, algodão, viscose, poliéster. Essa torção é bastante elevada: 2000 a 3500 v/m, conforme o título. Ela provoca um encolhimento do fio durante o tingimento, dando ao fio e ao tecido um aspecto opaco, granulado e um toque seco. A torção crepe aumenta o título do fio de 10 a 35%, proporcionalmente ao título e a torção.

2. Desenho – Representa um mistura de tafetá, sarja , para obter um aspecto granité no tecido. É utilizado em geral com fios crepe para aumentar o aspecto granulado do tecido.

3. Tecido – Tecido com aspecto granulado e toque áspero obtido com fios químicos ou naturais com alta torção. Nome derivado da palavra francesa “crêpe” que significa crespo. Produzido geralmente com fios dispostos alternadamente 2S e 2Z na trama e no urdume. Existe uma grande variedade de tecidos chamados crepes. As características principais são: um aspecto granulado (granité) e opaco, um toque seco – até áspero e muita fluidez. Para realizar este tecido se utilizam vários desenhos (principalmente crepe e granité) e fios de torções elevadas: Voil, Poil, grenadine e, principalmente, fios crepe. O aspecto definido do tecido é, em grande parte, obtido durante o tingimento e o acabamento, onde o encolhimento dos fios releva o aspecto “Crepe”. Estes tecidos fazem parte da linha alta costura ou “pret-à-porter” de luxo. (Ex. Chanel sempre foi uma grande fã dos tecidos crepe). Ver: Crepe Koshibo, Crepe Chiffon Liso/Estampado, etc.

Crepe Casca de Melão: semelhante porém mais pesado que o crepe madame, com um lado acetinado, com desenhos em relevo imitando pele e o avesso fosco. Aplicações mais comuns: Vestidos, roupas de festa clássicas,trajes a rigor, lingerie, robes, baby dolls, camisetinhas, pijamas, lençóis, edredons.

Crepe Changeant: semelhante ao crepe chiffon ou musseline, porém com efeito furta-cor em um dos lados e avesso fosco.

Crepe Chiffon ou Crepe Hi Multi Chiffon: tecido semelhante a musseline, geralmente de poliéster, muito leve e transparente com textura levemente enrugada, de toque macio e fluido.

Aplicações mais comuns: camisas , batas, vestidos, lenços, echarpes, etc.

Crepe da China: tecido de seda ou de fibras químicas (normalmente poliéster ) muito fino e leve, obtido por ligamento crepe e utilizado no urdume fios com pouca torção e na trama fios retorcidos (torção crepe) dispostos alternadamente em dois fios com torção no sentido S e dois fios sentido Z. usualmente é tinto em peça ou estampado.

Aplicações mais comuns: Roupas clássicas, camisaria feminina e masculina, gravataria, echarpes, pijamas masculinos e femininos, cuecas,almofadas, lençóis, edredons, xales de sofá.

Crepe Georgette: tecido, de origem francesa, com ligamento tafetá, cujos fios são de crepe de seda, poliéster, ou viscose. Utiliza tanto no urdume quanto na trama, fios retorcidos (torção crepe) dispostos dois fios com torção no sentido S e dois no sentido Z. É uma musseline mais pesada, porém ainda transparente, e com um lado áspero. Quando apenas um sentido de torção é utilizado no urdume e na trama, pode ser conhecido como Crepe Suzette.

Aplicações mais comuns: Camisas, camisetas, camisolas, anáguas, lenços, echarpes, cortinas leves, baldaquinos para proteção de camas e berço, etc.

Crepe Koshibo: Semelhante ao crepe georgette, porém mais grosso e pesado, liso e também transparente. Aplicações mais comuns: Mesmas do crepe georgette.

Crepe Madame ou Chanel: Também conhecido como “Crepe Patoux”, tecido grosso, tem com característica um lado acetinado e o avesso fosco e poroso, pode ser usado dos dois lados. Aplicações mais comuns: Vestidos, roupas de festa clássicas,trajes a rigor, lingerie, robes, baby dolls, camisetinhas, pijamas, lençóis, edredons.

Crepe Marroquino (“Crepe Marrocain”): tecido de seda ou de fibras químicas (normalmente poliéster), similar ao Crepe da China, porém mais pesado e com granulação mais acentuada.

Crepe Romain: tecido de seda, poliéster, ou viscose, originário da Itália, similar ao crepe georgette, porém com ligamento panamá de 2. Por essa razão o tecido é mais fechado e a granulação mais acentuada. Utiliza fios retorcidos (torção crepe) tanto no urdume quanto na trama, dispostos alternadamente de dois em dois fios com torção em sentido S depois Z.

Aplicações mais comuns: Roupas clássicas, vestidos básicos, conjuntos de calça e blusa, moda para senhoras.

Crepe Satin: também conhecido com “Cristal Líquido” ou “Prelúdio”, é semelhante ao crepe patoux ou madame, sendo, porém que o lado acetinado é furta-cor.

Cretone (bramante): tecido de algodão ou misto (algodão + poliéster), liso ou estampado, usado para vestidos, cortinas, roupas de cama. Ver: Cretone Misto.

Crochê: tecido rendado executado à mão com uma agulha provida dum gancho na extremidade, e utilizado na confecção de peças ornamentais, de vestuário e outras.

Cru: nome genérico dado a tecidos, geralmente de algodão, com aspecto rústico, que não foram submetidos a processos de beneficiamento, além da purga.


About Us

FashionInsight

Comportamento, tendências de passarela e referências criativas para quem quer se manter informado. Conteúdos semanais e estudos mensais!




Google+ Followers

Random

randomposts