Glossário Têxtil M - S

Malinos: tecido cuja estrutura é obtida pela sobreposição, sem entrelaçamento, da camada de urdimento sobre a camada de trama e cuja amarração é obtida por uma cadeia de pontos de malha.

Máquina de Costura: máquina projetada para unir pedaços de tecido ou pele com laçadas ou pontos de cadeia (ver Têxteis).
A laçada utiliza dois fios de linha e o ponto de cadeia apenas um.
A maioria das máquinas de costura modernas utiliza dois fios separados para formar uma laçada. O fio superior passa através de um buraco situado na ponta da agulha. O fio inferior sai de uma bobina ou carretel e une-se ao fio superior, enlaçando-se ou retorcendo-se, com o movimento horizontal ou rotativo da bobina.
Além de vários modelos de máquinas domésticas, há cerca de 2 mil tipos diferentes de máquinas de costura industriais.
Tanto as domésticas quanto as industriais estão equipadas com microprocessadores para executar seqüências automáticas de operação.
Abaixo alguns tipos de máquinas de costura industriais:
1. Ziguezague – Utilizada para rebater elásticos em lingerie, unir partes de couro, bordar, pregar zíper;
2. Reta - Utilizada como equipamento básico para todo tipo de vestuário;
3. Overloque – Utilizada para fechamento ou acabamento;
4. Interloque – Utilizada para fechamento em tecidos médios a pesados (jeans);
5. Galoneira – Equipamento direcionado para uso industrial no segmento de malharia.
Utilizada para bainhas, aplicação de galão ou viés, costuras
decorativas e outras.

Maquineta de Desenho: mecanismo instalado acima ou abaixo do tear
e destinado a movimentar os fios de urdume através dos quadros de liços.
O ritmo desta movimentação é obtido com o papel sem fim,
perfurado ou com cartelas e pinos.

Melànge: fio 100% algodão, onde a característica mescla é obtida no processo de fiação, com o tingimento da pluma do algodão.

Mercerização: tratamento (lavagem) de fibras de algodão por uma solução de sódio ou de potássio, a frio, que proporciona um brilho acentuado, maior afinidade com corantes, toque mais macio, maior resistência e maior encolhimento, portanto é um fio (ou tecido) que já foi extensamente beneficiado para proporcionar menos encolhimento nas próximas lavagens. O tecido mercerizado possui maior brilho, resistência e capacidade para receber melhor o tingimento ou a estampa. Lembrando que apenas alguns tecidos têm a necessidade de ser mercerizados.

Microfibra: Denominação utilizada para tipo de tecido ou fio, a saber:
1. Tecidos: Nome genérico dado a tecidos de poliamida ou poliéster, obtido a partir de fios com filamentos individuais iguais ou menores do que 1 Denier.
2. Fios: fios sintéticos que são formados por filamentos extremamente finos. Estes filamentos podem ser 60 vezes mais finos que um fio de cabelo e 10.000 filamentos de microfibra podem pesar menos que 1 grama. Desenvolvida recentemente esta nova variedade de fibra sintética surgiu no mercado por volta de 1990. Produzida a partir de acrílico, poliéster , viscose ou náilon, ela se caracteriza por filamentos extremamente delgados e é utilizada na forma de fios multifilamentos. Os tecidos produzidos com Microfibras possuem como características, o toque sedoso, vestem muito bem, encolhimento da peça extremamente baixo, alta resistência, baixo abarrotamento e bom isolamento quanto a vento e frio. As características das microfibras permitem a fabricação de tecidos leves e de toque bem mais agradável do que aqueles produzidos com fios ou filamentos artificiais ou sintéticos. Cabe registrar que já está desenvolvida, a nível de laboratório, a micro-micro fibra, ainda não lançada no mercado devido ao seu alto custo.

Micro Modal: fibra composta de 100% da mais pura celulose (o liocel). Micro Modal corresponde a todas exigências humanas e ecológicas e é produzida exclusivamente a partir de celulose tratada sem cloro. Micro Modal não contem concentrações de substâncias nocivas, é livre de pesticidas e não causa irritações cutâneas. Tecido de alta maciez, brilho, caimento e transpira quase 50% da umidade. Na coleção, a fibra é utilizada juntamente com o Algodão para elaborar malhas para os artigos underwear, uma vez que provoca a sensação de conforto e maciez altíssimos para um vestuário íntimo e que fica em contato constante com a pele humana.

Modal: fibra de celulose regenerada com elevada resistência a rompimento e alta medida de elasticidade em úmido. Aplicações:Confecção, tecidos para uso doméstico, tecidos profissionais. Limite de umidade: 13%.

Moirage: acabamento com calandra, destinado a produzir sobre o tecido um aspecto especial, dito “chamalote“. O tecido, em geral tafetá ou Gros de Tours, passa dobrado entre 2 cilindros quentes. Os 2 tafetás são assim deformados pela pressão e temperatura, para obter este efeito de “Moire”. Os cilindros são lisos, areados, estritos ou gravados com desenhos, segundo o tipo de chamalote desejado. O tecido a ser chamalotado, pode ser dobrado de 3 maneiras:
I – Ponta de peça sobre a outra ponta de peça: (isso provoca uma quebradura no sentido trama no meio da peça);
II – Ourela sobre ourela: (isso provoca uma quebradura em todo o comprimento do tecido);
III – Peça sobre peça: são colocados 2 tecidos, um sobre o outro (iguais ou diferentes).
Estes 3 processos são necessários conforme o tipo de chamalote desejado.
Antigamente o chamalote era destinado aos tecidos de luxo, em virtude desse tratamento não ter durabilidade (com a lavagem saia rapidamente). Porém, atualmente, com os fios sintéticos, pode-se fazer chamalote “permanente”.

Moiré: tecido chamalotado. O tecido destinado a ser chamalotado deve respeitar os seguintes critérios:
1) Apresentar um aspecto gorgurão bem marcado e por esse motivo se usa o tafetá ou o Gros de Tours, sendo o urdume, de preferência, de fios contínuos e a trama sempre mais grossa e redonda, de fios contínuos ou fiados (torção de binagem sempre elevada).
2) A regularidade das batidas é um fator primordial para a obtenção de um chamalote perfeito. Qualquer variação na quantidade de tramas por centímetro, provoca uma interrupção do chamalote.

Moletom: estrutura de malha de lã, macia, quente, flanelada dos 2 lados, usada para vestidos e estofamento. Seu entrelaçamento é feito de tal forma que os fios da malha, no interior, fiquem flutuantes, ou seja, aliado a um processo de peluciagem ele oferece maior aquecimento do corpo não deixando que o calor se transporte para fora do corpo.

Musseline ( Musselina ou Mousseline): tecido muito leve e transparente, com toque macio e fluido, desenho tafetá, fios de seda (de acetato, viscose, lã ou algodão, poliéster, poliamida), com torções elevadas. Em geral o tecido é cru (ou com seda tinta em cru), com vários acabamentos, conforme a qualidade da musseline. Algumas musselines são chamadas de Crepe Chiffon ou Crepe Hi Multi Chiffon.

Não-Saturado (Insaturado): Em química diz-se dos compostos orgânicos que apresentam ao menos uma ligação dupla ou tripla.

Organdi: tecido leve semelhante a musseline, com acabamento engomado. A musseline recebe uma purga completa para eliminar toda a goma e depois é tinta. O Organdi perde na purga somente 10% da goma (tinto em cru), o que lhe dá um toque encorpado.

Organsin: Fio de seda tinto, com torção fantasia, especial e muito resistente, para ser utilizado no urdume. Esta torção se baseia no seguinte processo: Primeira torção (seda) – 500 a 600 v/m; Segunda torção é sempre contrária à primeira e 100 voltas a menos. Depois, esta torção foi muito utilizada para o Acetato 35 e 45 den. e para Viscose, sempre a partir de fio tinto. Em geral ela é sempre a 2 cabos. Fio utilizado para artigos de alta costura, principalmente para jacquard, gravatas, Cetim Duchese e qualquer tecido de luxo com fio tinto.

Organza: tecido fino e transparente, de trama simples, em geral de fio poliamida, e mais encorpado e armado que o organdi. Ver: Organza Lisa e Cristal.

Ottoman: tecido com desenho tafetá, cuja trama é muito grossa, para formar um aspecto cotelê. Em geral urdume de seda e raion, trama – lã ou algodão, com diversos cabos. O desenho é semelhante ao gros de tours, ou seja: tafetá com 3/4 tramas, muito utilizado para o fundo dos jacquards.

Ourela: orla de uma peça de tecido enfestado. As ourelas seguram a trama nos retornos da lançadeira de um para outro lado. Geralmente elas são feitas com densidades em dobro do que o próprio fundo do tecido ou fios retorcidos. Estas ourelas servem, também, no acabamento do tecido quando o mesmo é passado na rama, onde este é segurado pelas ourelas, por isto a largura das ourelas deve ser de aproximadamente 1 cm, especialmente quando se trata de tecido médio ou pesado.
A ourela apresenta a qualidade do trabalho na tecelagem e é vista como referência da empresa. Muitas vezes colocam-se, também, alguns fios coloridos.

Oxford: tecido originário de Oxford, Inglaterra, de algodão, com desenho tafetá (2×2) e com densidade idêntica de urdume e trama. Inicialmente este tecido era composto de puro algodão, porém atualmente vários paises também fabricam este tecido sendo sua composição de poliéster. Ver: Oxford Importado.

Patchwork: tecido de qualquer matéria-prima, composto de vários pedaços de tecidos costurados juntos (em geral mais ou menos quadrado), de aspectos ou de cores contrastantes (jacquard, liso, estampado, etc.). A fantasia vem do máximo de cores ou da harmonia das mesmas. Com aspecto semelhante a uma colcha de retalhos é muito usado para vestidos, colchas, cortinas, etc.

Panamá (“Natté”): ligamento tafetá com 2 fios / 2 batidas ou 3×3, 4×4. Nome também de tipo de tecido de algodão, de seda artificial ou de fibra sintética, macio, encorpado e lustroso, especialmente usado para ternos de verão, costumes de senhora e calças compridas.

Passamanaria: designação comum a certos tipos de tecido trabalhado ou entrançado com fio grosso, em geral de seda (passamanes, galões, franjas, borlas, etc.), e destinado ao acabamento ou adorno de roupas, cortinas, móveis, etc.

Peletizado: uma das características do tecido peletizado é o sentido do pêlo. Durante o enfesto e a costura, é obrigatório que tal sentido seja sempre o mesmo em todas as peças. Para certificar-se disto basta, através da palma da mão, observar se a superfície do tecido está lisa ou arrepiada.

Pelúcia: variedade de veludo, com pêlos mais compridos. Dois tipos: Pêlo vertical (de pé) ou deitado, freqüentemente destinados a imitar a pele de vários animais. Utilizado para estofamento, vestidos, mantôs, brinquedos, etc. Ver: Pelúcia Importada Selvagem

Percal: tecido leve de algodão, ligamento tafetá, muito denso mas fino, utilizado principalmente para confecção de lençois e fronhas.

Pied de Poule (Pé de Galinha): tecido com pequenos efeitos geométricos brancos e coloridos. Urdume: dois fios brancos, dois fios coloridos; Trama: duas batidas brancas,duas batidas coloridas. ligamento tafetá. O Pied de Poule faz parte dos desenhos ópticos, obtidos a partir da combinação dos efeitos desenho/cor. As matérias-primas podem ser de qualquer natureza, conforme o estilo procurado (algodão, lã, seda, etc.).

Piquet: tecido jacquard onde o efeito Piquet produz um aspecto “costura” ao redor dos motivos.
Muito utilizado para os cloquê e os matelassê para aumentar o efeito de alto-relevo. Atualmente muito empregado para os tecidos matelassê de algodão maquinetado.

Plissado ou Plissê: série de pregas feitas num tecido, em geral com máquina própria para marcá-las e que, graças à ação do calor, não se desmancham.

Poá: qualquer tipo de tecido com estampado com bolinhas. Em francês “Pois”.

Poliamida (Náilon): fibra química de polímero sintético,também conhecida como “Nylon” o “Náilon”, considerada a mais nobre das fibras sintéticas, foi a primeira a ser produzida industrialmente. O náilon, entre outras qualidades, apresenta uma elevada resistência mecânica (cerca de 3,5 vezes superior ao algodão) que o torna adequado à fabricação de dispositivos de segurança (pára-quedas, cintos de segurança para veículos etc…). Outras características são a baixa absorção de umidade, a possibilidade de texturização e a boa aceitação de acabamentos têxteis, o que permite a obtenção de tecidos com aspectos visuais diferenciados.
A principal utilização do náilon na área têxtil ocorre na fabricação de tecidos de malha apropriados para a confecção de meias, roupas de banho (maiôs, sungas), moda íntima (lingerie) e artigos esportivos.
O nylon tem adquirido cada vez mais espaço na indústria têxtil devido à sua praticidade, como a secagem rápida, toque sedoso e melhor recuperação ao vinco. Sua utilização associada ao algodão, oferece um produto extremamente confortável e com ótima absorção de umidade, excelente para camisaria.
Atualmente no mercado, não se encontra uma fibra que se aproxima tanto à perfeição da seda como a poliamida. Ao trabalhar com o tecido misto, podemos aliar as principais vantagens do algodão a da poliamida, obtendo ótimo custo benefício.
Características: leve e macia; não encolhe e nem deforma; resistente ao uso, aos fungos e às traças; de fácil tratamento e seca rapidamente; sensível à luz; tem tendência a reter poeira e sujeira; mancha com facilidade; não absorve umidade; aquece pouco; favorece a transpiração do corpo; encolhe com o calor; não resiste a produtos químicos; Limite de umidade:5,75%.
Aplicações: Confecção em geral, fabricação de roupa de baixo, blusas, camisas e impermeáveis, pára-quedas, redes contra insetos, suturas para cirurgia e fibras resistente à tração, utilizado 100% ou em misturas.

Poliéster: fibra sintética, também conhecida como “tergal”. O poliéster é utilizado em malharia, vestuários, 100% ou em misturas, pode ser utilizado tanto para camisaria, quanto para parte de baixo. Sua característica, porém é de pouquíssima absorção de umidade. O poliéster é a fibra química que tende a apresentar maior crescimento e poder de competição, em decorrência de seu baixo custo, sendo a mais barata das fibras, sejam elas químicas ou naturais e dos melhoramentos tecnológicos que possibilitam que esta fibra se torne cada vez mais semelhante ao algodão.
Abaixo descrevemos alguns tipos de fibras de poliéster:
• Fibra Tergal–Algodão: Fibra curta que se mistura ao algodão, para utilização em praticamente todas aplicações em que se usa 100% algodão. Em alguns casos, ela se mistura à viscose curta para aplicações similares ás do algodão. São demonstradas algumas misturas entre tergal – algodão para fiação de anel e “open- end”.
• Fibra Tergal Linha de Costura: tem a fibra adequada para todos os tipos de costura.
• Fibra Tergal–Tech: É a fibra poliéster de alta performance que atende ás exigências de qualidade dos produtos de não tecidos. Seus níveis de frisagem e retração, associados a um tratamento superficial com
óleos lubrificantes especiais, permitem alto desempenho na cardagem e processos posteriores, garantindo ganho de produtividade, principalmente aos fabricantes de não tecidos. No processo de tingimento em massa de Tergal–Tech, o pigmento é misturado ao polímero antes da extrusão. Esse processo garante à cor da fibra a mais alta solidez em todas as solicitações: lavagem, exposição à luz, ao suor e à brasão. E ainda traz uma importante vantagem adicional: no caso de mescla, a fibra complementar pode ser tingida com qualquer corante, sem o risco de alterar a cor preta original de Tergal – Tech
• Fibra Tergal–Lofty: É a fibra de alta performance, especialmente desenvolvidas para aplicações em mantas de enchimento de todas as gramaturas. No uso em mantas de enchimento para vestuário ou edredons, travesseiros ou brinquedos esta fibra é auto – suficiente, não precisando de mistura para atender às exigências dessas aplicações.É uma fibra de secção transversal oca, extremamente branca, disponível em duas versões: standard e siliconada.
Características: boa resistência à luz e ao uso; não enruga; boa elasticidade; resiste a maior parte dos produtos químicos; de fácil tratamento e seca rapidamente; áspero; tem tendência a formar “bolinhas” com o uso; desbota quando exposto ao sol; encolhe com o calor. Limite de umidade:1,5%.

Polietileno: substância obtida pela polimerização do etileno, termoplástica, translúcida, flexível, com importantes e variadas aplicações.

Polimerização: processo em que duas ou mais moléculas de uma mesma substância, ou dois ou mais grupamentos atômicos idênticos, se reúnem para formar uma estrutura de peso molecular múltiplo do das unidades iniciais e, em geral, elevado.

Polímero: composto formado por sucessivas aglomerações de grande número de moléculas fundamentais. Ex.: o polietileno, formado pela aglomeração de centenas de milhares de moléculas de etileno. O número de unidades repetidas em uma molécula grande chama-se grau de polimerização.

Polipropileno: fibra sintética obtida pela polimerização do propeno ( fórmula: C3H6) sendo que do ponto de vista da indústria têxtil para vestuário e uso doméstico, o polipropileno não é uma fibra importante; entretanto, suas características de resistência à umidade, elevada inércia química, leveza,resistência à abrasão e à ação de mofos e bactérias tornam-no ideal para a produção de sacarias, proporcionando excelente isolamento e proteção aos produtos assim acondicionados. Tem também aplicações em forrações de interiores e exteriores, na fabricação de feltros e de estofamentos.

Popeline (Popelina): tecido de construção de tela com um fio de algodão de menor qualidade que o algodão penteado mercerizado, com mais fios no urdume e menos trama, em geral na proporção de 2 fios/1 batida. Chamada antigamente “papeline”, oriundo do nome do Papa e fabricado na cidade de Avignon, na França. Aplicações: vestidos, lingerie, camisas, calças, bermudas, toalhas de mesa, guardanapos, etc. Ver: Popeline Lisa

Príncipe de Gales: Variedade de xadrez, com construção sarja ou tafetá, cuja distribuição das cores no urdume e trama procede de dados precisos.
No início este tipo de tecido foi estabelecido da seguinte forma: urdume e trama: 2 cores básicas. 67% do raporte é obtido com fios de cores, na proporção de 2/2, ou seja: 2 fios de uma cor e 2 de outra, sendo que os 33% restantes são na proporção de 4/4. Conforme o título do fio, a proporção passa para 4/4 e 8/8. Às vezes, no meio da parte 2/2 (67%) existe um ou dois fios e uma ou duas tramas de uma terceira cor, bem contrastantes, destinada a valorizar o Príncipe de Gales.
Atualmente existe uma grande variedade de Príncipes de Gales, conforme as tendências da moda, as quais criam uma certa confusão com os escocês e xadrez.

Pua:intervalo entre os dentes do pente do tear.

Purga: é a operação de visa eliminar do tecido as impurezas com características oleosas tais como: graxas, ceras e óleos naturais e ou adquiridos durante o processo industrial. Esta eliminação se faz necessária visto que estas impurezas oleosas no tecido impedem a penetração da água que é o principal veículo empregado nas operações de beneficiamento têxtil.

Raiom: fio ou tecido artificial composto a partir da celulose. No princípio foi chamado seda artificial, por ter uma consistência semelhante, basicamente temos dois tipos de raiom o raiom acetato e o raiom viscose. A fabricação de fios de raiom e de todas as fibras manufaturadas é feita mediante extrusão.

Rama:caixilho ou bastidor em que se estiram os panos na fabricação. Diz-se, também, da matéria-prima têxtil natural, em estado bruto, antes de ser preparada para fiar: algodão em rama; seda em rama.

Rami: o rami é uma planta perene, isto é, de cultura permanente, que pode produzir , sem renovação, por cerca de 20 anos. A planta apresenta uma cepa de onde partem as hastes que podem atingir, em terrenos apropriados, entre 2 e 3 metros de altura. Permite , em média, 3 a 4 cortes por ano.
Se destaca por sua grande aplicação em tecidos para vestuário e para artigos de decoração.É clara e brilhante.
Seus fios podem ser tão fortes quanto os do linho. A fibra é bastante durável, mas tende a perder elasticidade.
Absorve água com muita rapidez e aumenta seu resistência em cerca de 25% quando molhado, o que torna os tecidos de fácil lavagem e de rápida secagem. Além de ser bastante resistente, o rami apresenta a vantagem de ser uma fibra longa ( 150 a 200 cm). As excepcionais qualidades têxteis do rami são completadas por seu aspecto leve e fresco, capaz de absorver a transpiração corporal.
Os tecidos de rami retêm a cor dos corantes comerciais mais do que qualquer outra fibra vegetal.
Substitui o cânhamo e outras matérias-primas na fabricação de cordas e barbantes, sendo preferido em função de sua resistência tensil para os seguintes fins: barbantes para a indústria de calçados, linhas de costura, etc.

Renda: estofo de malhas abertas e contextura em geral delicada, cujos fios (de algodão, poliéster, juta etc.), trabalhados à mão ou à máquina, se entrelaçam formando desenhos, e que é usado para guarnecer ou confeccionar peças de vestuário, cortinas, roupa de cama e mesa, etc.

Reps: ligamento que tem por característica principal apresentar no sentido urdume uma série de flutuações de trama, intercaladas por uma armação de tafetá, (desenho usado para o veludo cotelê). Existem 3 tipos reps:
1. Reps Alternativo: O cotelê é salteado em 2 grupos de tamanhos determinados. Principalmente usado em jacquard.
2. Reps Absoluto: Antigamente denominado “Basiné”. A mesma trama sempre forma cotelê, a segunda liga somente em tafetá. Também apenas utilizado em jacquard. A trama flutuando produz os motivos decorativos e por esse motivo, escolhida pelas suas qualidades (brilho, cor, fantasia, etc.).
3. Reps de Base: denominação utilizada atualmente para o tafetá, de 2 fios é considerado como sendo o Reps de Base.

Resiliência: energia que pode ser acumulada pela fibra sem que a mesma se deforme, ou seja a fibra volta a forma inicial após cessar a força que causou a deformação.

Ribana: Tipo de malha com estrutura feita em teares de dupla frontura, ou seja, uma face da malha é diferente da outra. Estas faces podem ser trabalhadas ou lisas, proporcionam um alto alongamento e elasticidade capacitando desta maneira que o tecido se molde e acompanhe os movimentos do corpo, muito utilizada para acabamentos de golas e punhos, é também conhecida como “Malha Sanfonada”.

Risca de Giz: Tecido com listras finas, geralmente de cores claras sobre fundo escuro.

Sarja: nome usado para tipo de ligamento ou tecido:
1) Ligamento: construção cuja característica principal é produzir pequenas flutuações de trama e de urdume no sentido diagonal. Esta desenho distingui-se por sua diagonal bem definida. Uma inversão dessa diagonal possibilita um aspecto em zigue-zague, conhecido por espinha de peixe. Outros efeitos visuais podem ser obtidos por variações da diagonal e/ou das cores dos fios. O entrelaçamento em diagonal possibilita maleabilidade e resiliência aos tecidos. O tecido em ligamento sarja é freqüentemente mais firme que o tecido em ligamento tela, tendo menos tendência a se sujar, apesar de ser de lavagem mais difícil. Este desenho é principalmente utilizado pelos lanifícios. Muito utilizado em tecidos de algodão como o brim .
2) Tecido: tecido que usa este tipo de ligamento de seda, lã, ou algodão, e que apresenta estrias no sentido diagonal.

Saturado: em química diz-se de composto orgânico cuja estrutura molecular apresenta apenas ligações simples.

Schappe: fio produzido a partir da borra de seda.

Seda Natural: fibra da qual é composto o casulo que cobre o bicho-da-seda, valiosa por sua utilização em tecidos de alta qualidade e em outros produtos têxteis. A seda é uma das mais antigas fibras têxteis conhecidas e, de acordo com a tradição chinesa, já era usada no século XXVII A.C.
A) Histórico: Conforme vários livros antigos, a China foi o berço da seda natural. Foi descoberta pela imperatriz Si-Lung-Schi, há aproximadamente 1800/2000 a.C. (época do nascimento de Moisés). Depois a seda começou a viajar através da Europa, passando pela Turquia, Grécia, Itália, Espanha, etc., para terminar na França (Louis XI, em 1466). Atualmente os principais produtores de seda são: China, Japão, Brasil, Coréia.
B) Descrição: A seda é um filamento contínuo segregado pela lagarta “Bombyx-mori” ou Bombyx de amoreira ou bicho-da-seda, que come a folha de amoreira (cultivada ou selvagem) e também do carvalho. Quando de sua transformação em crisálida, a lagarta forma um casulo a partir deste filamento de seda. Para formar o fio de seda se reúne diversos filamentos dos casulos. O fio assim obtido se chama “Grege“. Contém uma série de filamentos, variáveis em função do título final do fio. Os principais títulos são: 9/11 den., 11/13, 13/15, 20/22, 40/44.
O filamento e o fio são compostos de 2 produtos:
a) O filamento puro de seda é chamado “Fibroine” e representa 75% a 78% do peso total.
b) A goma natural é chamada “Grés” ou “Séricine” e representa 22/25% do peso total do fio.
Assim, o filamento e depois o fio, possuem uma taxa de goma elevada, que protege a fibra durante o processamento de torção, urdissagem, tecelagem. Esta goma sai durante o processo de desengomagem do tecido ou do fio.
Embora o surgimento de fibras sintéticas, como o náilon e o poliéster, tenha provocado uma enorme redução na produção e consumo da seda, ela continua sendo empregada na confecção de roupas, rendas e tecidos para decoração de interiores e bolsas.
Características: muito macia, leve e confortável; não provoca irritações na pele; baixa resistência; desbota quando exposta ao sol e à transpiração; não resiste a produtos químicos; atacada por traças e insetos; exige muitos cuidados na lavagem e tratamento.

Seda Artificial: fios artificiais feitos a partir de produtos naturais, mas com processo mecânico. De modo geral, trata-se dos fios acetato e viscose, que entraram no mercado internacional antes dos fios sintéticos, derivados da petroquímica. Foram inventados vários fios artificiais, dos quais sobram dois, ainda muito utilizados: acetato e viscose, os dois a base de Celulose. No início foi também utilizada a palavra “Rayonne” (Raiom), para nomear estes dois fios.

Shantung: nome derivado de Chan-Tung, cidade da China, produtora de seda selvagem, sendo que o termo é utilizado atualmente para qualquer tecido grosso de aspecto irregular. Aplicações mais comuns: Coletes, blazers. vestidos que exijam certa estrutura, gravatas, .camisas sóbrias, ternos, paletós, bolsas, forração de sapatos, almofadas, estofamentos, forros de cadeira, poltronas e sofás, cortinas pesadas, biombos.

Stretch: palavra inglesa que significa esticar. É aplicável a tecido com elasticidade obtida através de filamentos de poliéster texturizado ou de fibras.

Suplex ®: fibra DuPont Sudamerica S/A é indicado para tecidos esportivos, visto que alia as propriedades das malhas de algodão, confere maciez e flexibilidade a peças confeccionadas, em adição a durabilidade e resistência do nylon (poliamida). Devido ao sistema de texturização a ar, desenvolve um toque parecido com o do algodão, aliado a vantagens das fibras sintéticas. Tecido que proporciona conforto, resistência, caimento e possui uma secagem relativamente mais rápida que outros tecidos.

About Us

FashionInsight

Comportamento, tendências de passarela e referências criativas para quem quer se manter informado. Conteúdos semanais e estudos mensais!




Google+ Followers

Random

randomposts